Artigos
  • PAULO LEMOS
    O mundo tem recursos para todos, mas o sistema escolhe quem merece ter acesso a eles
  • VICTOR MAIZMAN
    A União poderia reduzir os tributos sobre a industrialização da carne
  • IRAJÁ LACERDA
    Medidas provisórias proporcionam maior liberdade econômica ao produtor rural
/ AÇÃO DA RÊMORA

Tamanho do texto A- A+
02.08.2019 | 16h59
Advogado falta a audiência e juíza manda OAB apurar conduta
Wagner Rogério Neves de Souza faz a defesa do réu Fábio Frigeri na ação penal resultante de operação
Otmar de Oliveira/Agência F5
A juíza Ana Cristina Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá
THAIZA ASSUNÇÃO
DA REDAÇÃO

A juíza Ana Cristina Mendes, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, enviou ofício à Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso, para apurar a suposta desídia (negligência) do advogado Wagner Rogério Neves de Souza, que faz a defesa do ex-servidor Secretaria de Estado de Educação, Fábio Frigeri, réu na ação penal da Operação Rêmora.

Conforme a magistrada, o advogado não compareceu à audiência marcada para quinta-feira (1ª) e sequer apresentou justificativa.

“Determino que seja oficiado à OAB/MT, para apuração da desídia do Advogado de Defesa de Fábio Frigeri, Dr. Wagner Rogério Neves de Souza, uma vez que devidamente intimado sequer compareceu à presente audiência ou apresentou qualquer justificativa”, diz o despacho da magistrada.

A Rêmora desarticulou um esquema de fraudes em licitações da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) para construção e reforma de escolas durante o governo de Pedro Taques (PSDB). Além de Frigeri, também são réus na ação o empresário Alan Malouf, o ex-secretário da Pasta Permínio Pinto, o empresário Giovani Guizardi e o ex-servidore Wander Reis.

Wagner não foi o único a faltar à audiência marcada para quinta-feira. O delator da ação, Luiz Fernando da Costa Rondon, que seria ouvido na ocasião, também não compareceu. 

A ausência dele provocou irritação da magistrada e do o promotor de Justiça Jaime Romaquelli, do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), que ameaçou, inclusive, revogar sua delação. 

A defesa de Rondon disse que ele não foi intimado e está em um retiro espiritual em Nova Olímpia (a 207 km de Cuiabá).

Fábio Frigeri e o Giovani Guizardi também não apareceram. A juíza só não aplicou a revelia deles por conta da ausência de Luiz Fernando Rondon.

“Em vista a impossibilidade de realização da presente audiência, em face da ausência do colaborador Luiz Fernando Da Costa Rondon, deixo de aplicar aos acusados ausentes, cujas defesas também não compareceram, Fabio Frigeri e Giovani Belatto Guizardi, os quais saíram devidamente intimados da presente audiência, a revelia, a teor do disposto no art. 367 do CPP”, registrou a magistrada.

Os demais réus,  Alan Malouf, Permínio Pinto e Wander Reis justificaram a ausência atráves dos advogados, que pediram as dispensas.

A juíza remarcou a audência  para o dia 9 de agosto, às 9h, ocasião em que será ouvido o delator Luiz Fernando Rondon, "que será trazido independente de intimação por sua advogada constituída", determinou Ana Cristina. 

Leia mais: 

Em retiro espiritual, delator não vai a audiência e juíza se irrita


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet