Artigos
  • LUIS FILIPE GOMES
    Receita Federal altera regras relativas à obrigatoriedade da entrega
  • ARNALDO JUSTINO
    Só louco para ansiar ser governante; por isso, a loucura exige respeito
  • RENATO GOMES NERY
    A questão do meio ambiente é seríssima, pois diz respeito ao nosso futuro
/ PRINCÍPIO DA PROPORCIONALIDADE

Tamanho do texto A- A+
15.08.2019 | 09h18
"Justiça é leniente com colarinho branco e severa com bagatela", diz Barroso
Ministro defendeu que não se deve colocar na conta do Direito Penal a mudança do país
Carlos Moura/STF
O ministro Luís Roberto Barroso, do STF
DO CONSULTOR JURÍDICO

"Temos uma justiça tipicamente de classe: mansa com os ricos e dura com os pobres. Leniente com o colarinho branco e severa com os crimes de bagatela." Quem afirma é o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, em prefácio ao livro O controle de constitucionalidade de leis penais no Brasil, do criminalista Ademar Borges de Sousa Filho.

Barroso mostra algumas de suas visões sobre o papel do Direito Penal, que, segundo ele, deve ser "moderado, sério e igualitário". Para o ministro, cabe à Justiça criminal ser escudo e espada dos direitos fundamentais: "O princípio da proporcionalidade não proíbe somente excessos punitivos, mas também a proteção deficiente".

O ministro relembra uma reflexão durante Conferência da OAB, em 2011, de que o sistema punitivo brasileiro não cumpre "as funções próprias da pena criminal: não previne, não ressocializa nem prevê retribuição na medida certa". 

Assim, Barroso defende que não se deve colocar na conta do Direito Penal a mudança do país, embora veja na matéria um "papel importante de desincentivar condutas desviantes". 

Clique aqui para ler o prefácio, assinado pelo ministro Barroso.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet