Artigos
  • LUIZ ANTONIO GIROLDO FILHO
    Debate é necessário para vermos o Brasil avançar no mercado financeiro
  • LUIZ HENRIQUE LIMA
    Oficialmente, a Aktion T-4 matou 70.273 pessoas, de recém-nascidos a adolescentes
  • GIOVANE SANTIN
    A investigação criminal, as medidas cautelares e prerrogativa de foro por função
/ DENTRO DO BIGLAR

Tamanho do texto A- A+
13.09.2019 | 17h49
MPE denuncia ex-Sesp por ameaça a delegado que o investigou
Rogers Jarbas teria perseguido e provocado Stringueta dentro do supermercado Big Lar
Alair Ribeiro/MidiaJur
O ex-secretário de segurança Rogers Jarbas
DA REDAÇÃO

O Ministério Público Estadual ofereceu nesta sexta-feira (13) denúncia contra o delegado e ex-secretário de Segurança Pública, Rogers Elizandro Jarbas, por uma suposta ameaça ao também delegado Flavio Stringueta.

Jaras foi denunciado pelo crime previsto no artigo 344 do Código Penal, que consiste em “usar de violência ou grave ameaça, com o fim de favorecer interesse próprio ou alheio, contra autoridade, parte, ou qualquer outra pessoa que funciona ou é chamada a intervir em processo judicial, policial ou administrativo, ou em juízo arbitral”. A pena prevista é de um a quatro anos de reclusão e multa.

Stringueta comandou a Operação Esdras, desencadeada em 2017, que desbaratou um grupo acusado de tentar obter a suspeição do desembargador Orlando Perri no caso conhecido como “Grampolândia Pantaneira”. Entre os presos, estava o ex-secretário.

A denúncia refere-se a um fato ocorrido no dia 28 de março do ano passado, no interior do Supermercado Big Lar.

Na ocasião, o ex-secretário passou a monitorar Stringueta, na tentativa de “mapeá-lo” em dois momentos.

Segundo o Ministério Público, após as tentativas de intimidação no interior do supermercado, o ex-secretário ainda procurou a vítima no estacionamento provocando uma discussão, chamando-o de “safado” e instando-o a resolver as coisas de “homem pra homem”.

O ex-secretário ainda teria dito que sua prisão foi uma armação do desembargador Orlando Perri, e que a delegada Alana Cardoso teria mentido em seu depoimento para prejudicá-lo.

As imagens do circuito interno, de acordo com a denúncia, demonstram que a investida de Rogers teve requinte de premeditação, segundo a denúncia.

A denúncia foi oferecida pela 19ª Promotoria Criminal de Tutela Coletiva de Segurança Pública da Capital. 

 


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet