Artigos
  • IRAJÁ LACERDA
    Estudo aponta que soja não representa risco de desmatamento para Amazônia
/ MORTE DE DANILO

Tamanho do texto A- A+
07.10.2019 | 14h48
STJ nega recurso e mantém prisão de acusados de matar personal
Crime ocorreu em novembro de 2017, em Cuiabá; dupla está presa desde março do ano passado
Alair Ribeiro
Guilherme Dias e Wallisson Magno, em audiência no Fórum
JAD LARANJEIRA
DA REDAÇÃO

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro João Otávio de Noronha, negou o recurso interposto pela defesa de Guilherme Dias de Miranda e Walisson Magno de Almeida e manteve a condenação dos dois.

A decisão foi publicada no último domingo (27). O empresário Guilherme Dias é acusado de mandar matar o personal trainer Danilo Campos, em Cuiabá, em novembro de 2017. Já Walisson Magno teria conduzido a moto com o executor do personal. 

Os dois estão presos na Penitenciária Central do Estado desde março de 2018.

Conforme o documento, a defesa impetrou o recurso especial, mas não especificou o fundamento.

"Como é cediço, não se conhece do agravo em recurso especial que não tenha impugnado especificamente todos os fundamentos da decisão recorrida", diz trecho do despacho.

Danilo era filho do vereador de Várzea Grande, Nilo Campos (DEM), e teria sido morto por ter tido uma relação extraconjugal com a esposa de Guilherme.

O crime ocorreu no dia 8 de novembro de 2017, no Bairro Duque de Caxias, em Cuiabá.

O corpo do personal foi encontrado caído ao lado do carro, na Rua General Ramiro de Noronha. 

Testemunhas informaram que a vítima estacionou o carro e, ao descer, foi atingida por tiros efetuados pelo garupa de uma motocicleta, que posteriormente seguiu em direção à Avenida Miguel Sutil.

De acordo com as investigações da Delegacia de Homícidios e Proteção à Pessoa (DHPP), Guilherme Miranda acompanhou a execução da vítima de dentro do próprio carro, um Honda Civic preto.

Crime foi planejado por três meses

A empresária Ane Lise Hovoruski confirmou em depoimento que seu ex-marido planejou por três meses o assassinato do personal.

Segundo o vereador Nilo Campos, que acompanhou o depoimento da mulher, ela afirmou que conheceu Danilo em um show sertanejo antes de se casar com Guilherme.

No depoimento, a mulher ainda disse que, depois de se casar, Danilo se afastou dela. Porém, Guilherme continuou ameaçando-o.

“Depois de cinco meses que ele casou [Guilherme], ele matou meu filho. Aquele crápula ameaçou meu filho por meses”, disse Campos.

Ainda conforme o depoimento, depois disso o ex-marido teria passado a planejar o crime com o apoio de Walisson Magno de Almeida.

“Guilherme premeditou o crime. Ela [Ane Lise] disse que os dois mudaram a placa da moto com fita isolante e depois saíram para cometer o crime. Ela confirmou o que está no inquérito”, expôs o pai de Danilo.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet