Artigos
  • RENATO GOMES NERY
    Prestigia-se o atraso, em detrimento da evolução, e o crime em prejuízo da punição
  • VICTOR MAIZMAN
    A extinção do seguro obrigatório confirma a voracidade do Poder Público
/ MORTE DE MARIELLE

Tamanho do texto A- A+
30.10.2019 | 11h24
Ida de suspeito a condomínio de Bolsonaro leva caso ao STF
A informação foi obtida com exclusividade pelo "Jornal Nacional", da TV Globo
Rafael Carvalho/Governo de Transição
O presidente da República Jair Bolsonaro
DO CONJUR

Acusado de dirigir o carro que participou do atentado que matou a vereadora Marielle Franco (PSol) e seu motorista Anderson Gomes, Elcio Queiroz se encontrou com Ronnie Lessa no Condomínio Vivendas da Barra, o mesmo em que o presidente Jair Bolsonaro mora no Rio de Janeiro. A informação foi obtida com exclusividade pelo "Jornal Nacional", da TV Globo.

A visita teria ocorrido em 14 de março de 2018, o mesmo dia do assassinato da vereadora. Na data, Elcio teria alegado que iria à casa de número 58. O porteiro ligou para autorizar a entrada, e a voz que o atendeu foi identificada por ele como sendo à do “seu Jair”.

O porteiro teria confirmado a informação em dois depoimentos.

A casa de número 58 pertence a Jair Bolsonaro, que também é dono da casa 36 no mesmo condomínio. Conforme o depoimento do porteiro, ele teria acompanhado a movimentação do carro pelas câmeras de segurança, e Elcio teria ido direito para casa 66, de Ronnie Lessa, e não para a do agora presidente.

Ainda conforme o depoimento do porteiro, ele teria ligado novamente para a casa 58 e que o homem identificado como “seu Jair” teria dito que sabia para onde Elcio estava indo.

Na data citada no depoimento do porteiro, o então deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) estava em Brasília. Como o nome do presidente foi citado, a lei obriga o Supremo Tribunal Federal a analisar a situação.

Outro lado
O advogado do presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef, apontou inconsistências no depoimento do porteiro e afirmou que seria uma tentativa atacar o presidente.

"Eu nego isso. Isso é uma mentira. Deve ser um erro de digitação, alguma coisa. O Jair Bolsonaro, no dia 14 de março de 2018, encontrava-se em Brasília, na Câmara dos Deputados, inclusive existe o registro de entrada dele lá, com o dedo, e todas as demais provas."

"O presidente não conhece a pessoa de Elcio, e essa pessoa não conhece o presidente. Isso é uma mentira e uma farsa", disse à TV Globo.


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet