Artigos
  • RENATO GOMES NERY
    Prestigia-se o atraso, em detrimento da evolução, e o crime em prejuízo da punição
  • VICTOR MAIZMAN
    A extinção do seguro obrigatório confirma a voracidade do Poder Público
/ GANHA TEMPO

Tamanho do texto A- A+
05.11.2019 | 17h28
TCE mantém contrato de concessão no valor de R$ 398 milhões
O voto do relator, conselheiro Isaias Lopes da Cunha, foi seguido pelos demais membros do Pleno
Victor Ostetti
O conselheiro interino Isaias Lopes da Cunha
DA REDAÇÃO

Por unanimidade, o Pleno do Tribunal de Contas do Estado (TCE) julgou procedente o processo de licitação que culminou na concessão das sete unidades do Ganha Tempo ao Consórcio Rio Verde, empresa que administra o serviço no Estado desde 2018.

O valor do contrato de concessão é de R$ 398,7 milhões por um prazo de 15 anos.

O julgamento aconteceu na manhã desta terça-feira (5). O voto do relator, conselheiro Isaias Lopes da Cunha, foi seguido pelos dois demais membros do Pleno que votaram a matéria hoje.

O julgamento do processo começou em 2017, com o voto do relator pela legalidade do processo licitatório da concessão. A manifestação dele foi acompanhada do voto do conselheiro João Batista Camargo, feito em sessão realizada em setembro deste ano.

Posteriormente, o presidente do TCE-MT, Domingos Neto, manifestou redirecionamento dos autos para a análise do pedido de nulidade intempestivo feito pelo Shopping Cidadão, empresa não contemplada no processo.

Em outubro, a defesa do Consórcio Rio Verde protocolou no órgão um pedido de desentranhamento de todas as peças protocoladas pelo Shopping Cidadão e a conclusão do julgamento do processo na sessão de 8 de outubro, o que não aconteceu, pois foram pedidas vistas do processo pelo conselheiro Guilherme Maluf. 

Os pedidos de declaração de nulidade apresentados pela empresa concorrente foram indeferidos na sessão do dia 15 de outubro, quando o processo retornou ao gabinete de Guilherme Maluf.  

“Após me debruçar sobre os autos, concordei com o entendimento do relator de que a representação deve ser julgada improcedente, uma vez que a comprovação da regularidade fiscal deve limitar-se ao essencial de modo a não restringir a competitividade do certame”, foi parte do voto do conselheiro.  

O processo licitatório para a concessão da administração das unidades do Ganha Tempo data de 2016. 

“Com a finalização desse julgamento, após intensa batalha jurídica, restabeleceu-se a segurança administrativa da contratação desse importante serviço posto à disposição da sociedade mato-grossense. Agora o governo estadual pode ampliar o leque de serviços terceirizados, com maior eficiência ao cidadão e o respaldo da Corte de Contas”, afirmou um dos advogados responsáveis pela defesa do Consórcio Rio Verde, Leonardo da Silva Cruz.

Serviço

As unidades do Ganha Tempo encontram-se duas em Cuiabá (Praça Ipiranga e CPA), uma em Várzea Grande, além de Rondonópolis, Cáceres, Barra do Garças e Sinop.

Em todas, os serviços mais procurados são confecção de RG, vagas de emprego através do SINE (nas unidades que disponibilizam o serviço), Detran, confecção de título de eleitor no TRE e os atendimentos ofertados pela Previdência Social (INSS).


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2019 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet