Artigos
  • RENATO GOMES NERY
    O falso positivo com o nome sugere é tudo aquilo que foi tido como positivo e é negativo
/ 16ª FASE DA ARARATH

Tamanho do texto A- A+
29.06.2020 | 17h14
STJ quebrou sigilo bancário de 30 pessoas e 33 empresas; veja
Operação foi deflagrada no dia 16 deste mês e teve como alvos conselheiros afastados do TCE
Reprodução
Os conselheiros afastados Waldir Teis, Antônio Joaquim, José Carlos Novelli, Valter Albano e Sérgio Ricardo
CÍNTIA BORGES
DA REDAÇÃO

O ministro Raul Araujo, do Superior Tribunal de Justiça, determinou o levantamento do sigilo fiscal e bancários de 30 pessoas jurídicas e 33 empresas que supostamente possuem relação com os cinco conselheiros afastados do Tribunal de Contas do Estado.

A investigação é relativa a Operação Gerión, 16ª fase da Operação Ararath, deflagrada no último 17 de junho pela Polícia Federal de Mato Grosso.

Sérgio Ricardo, Valter Albano, Antônio Joaquim, José Carlos Novelli e Waldir Teis estão afastados de seus cargos desde setembro de 2017 por determinação do ministro Luiz Fux, do STF, durante a Operação Malebolge, 12ª fase da Ararath, da Polícia Federal.

Segundo a determinação – que está sob sigilo - à qual o MidiaNews teve acesso, o sigilo bancário dos alvos foi levantados entre janeiro de 2012 a junho de 2016. 

Entre as empresas está Gendoc Sistemas e Empreendimentos Ltda, citada na delação do ex-governador Silval Barbosa como integrante do esquema de pagamento de propinas de R$ 53 milhões aos cinco conselheiros do TCE-MT, para que os eles não colocassem entraves nas obras da Copa do Mundo de 2014.

Há ainda as empresas Ábaco Tecnologia da Informação, Allen Rio Serv, Impar Gestão e Soluções em Tecnologia, Serprel Comércio, Simetrya Tecnologia da Informação, Spazio Digital, Tecnomapas, Travessia Desenvolvimento Organizacional e Doc Center Serviços de Cópias.

Sandra Fado/STJ

Ministro Raul Araujo

O ministro Raul Araujo, que determinou busca e apreensão e quebra de sigilo bancário e telefônico

Além da Acqua Park, Alphaville Buffet, Agropecuária São José do Planalto, Aker Consultoria, Bezerra e Curado Advogados Associados, Capgraf Indústria, Comércio e Serviços, Complexx Tecnologia, Consórcio Simaker (formado por Symetria e Aker), EBJ empreendimentos Imobiliários, Impar Gestão e Soluções, J&A Fomento Mercantil, JFTC Teleinformática, Las Vegas Motel, MJ System e Tecnologia Eirelli, Office Consultoria, Outimpress Soluções, Premium Negócios Imobiliário, Prixx Tecnologia da Informática, Simmenthal Agropecuária, Trimec Construções, Valle Negócios Imobiliários, Viart Comércio de Confecções e Villa Aventura.

Contra as pessoas físicas, o ministro afastou o sigilo bancários dos cinco conselheiros pelo mesmo período e ainda dos seguintes alvos: Alexandre Wagner Silveiro, Andrea Oliveira Costa Silveiro, Andreia Conceição de Barros Caldas Teixeira, Andreia Denise de Oliveira, Antônio Augusto de Oliveira, Antônio Henrique de Aquino Teixeira, Arnaldo Alves, Carlos Antônio da Cunha Dias, Cleyton Souza Andrade, Clodoado Lacerda Belchior, Diogo César Barbosa Pereira, Dulcelena Gomes de Oliveira, Emanuel Gomes Bezerra Junior, João de Oliveira, Júlio Teis, Lucelena Gomes de Oliveira, Luís Mauro Soares da Silva, Márcio Antônio Silvério,  Micael Heber Mateus, Miguel Correa Ribeiro, Paulo Jacques Cotrim Dias, Reinaldo de Toledo Maluli, Renata Cândido de Souza, Teolinda Gomes da Silva e Waldisnei da Cunha Amorim.

Quebra de sigilo telefônico

Ainda foi determinada a quebra de sigilo telefônico de cinco investigados pelo período de janeiro de 2014 a dezembro de 2015. 

São eles: o conselheiro afastado Sérgio Ricardo, os empresários Carlos Antônio da Cunha Dias e Waldisnei Amorim; e ainda do sócio-proprietário da Valle Negócios Imobiliários Ltda, Micael Heber Mateus, e também do advogado Reinaldo de Toledo Maluli.

Ainda foi determinada a quebra dos dados dos usuários de 15 linhas telefônicas relativas ao Tribunal de Contas.

Busca e apreensão

A Polícia Federal cumpriu, no dia 17 de junho, mandados de busca e apreensão contra 19 alvos - oito empresas, oito pessoas físicas, duas fazendas e o Tribunal de Contas do Estado.

São eles: 

Liderelo Gestão e Solução, antigo Ímpar Gestões e Soluções, localizado no Bairro Jardim Cuiabá

Alphaville Buffet, no bairro Santa Marta em Cuiabá. No Motel Las Vegas, no bairro Santa Cruz em Cuiabá

Office Consultoria e Governança Tributária, bem como o escritório Bezerra e Curado Advogados Associados, ambos na Avenida Historiador Rubens de Mendonça, em Cuiabá

Empresa EBJ Empreendimento Imobiliários e Equipe Construtora e Incorporadora em Maringa (PR)

Empresa J&F Fomento, que fica em Rondonópolis ( a 220 km de Cuiabá).  

Houve cumprimento nos endereços residenciais das seguintes pessoas:

José Carlos Noveli, no Jardim das Américas

Carlos Antonio Dias

Luis Mauro Soares Silva

Emanoel Gomes Bezerra Junior

Júlio Teis (filho de Waldir Teis)

Cleyton Souza Andrade

As fazenda Nossa Senhora Aparecida, de Novelli, em Santo Antônio do Leverger, e a WT – Agropecuária São José do Planalto, do conselheiro Waldir Teis, em Rondonópolis, também foram alvos.

Operação Gerión

O objetivo da operação foi reunir novas provas de um esquema criminoso que desviou recursos públicos de Mato Grosso entre 2012 e 2018.

As investigações tiveram como ponto de partida, entre outras provas, informações fornecidas em acordos de colaboração premiada firmados entre investigados e o Ministério Público Federal.

Leia mais sobre o assunto:

PF cumpriu 19 mandados contra conselheiros, empresas e outros

Conselheiros afastados do TCE-MT são alvos de buscas da PF

Conselheiro diz ter 41 imóveis e que ação da PF é "benéfica"

PF apreendeu R$ 50 mil em escritório de conselheiro afastado


Voltar   

Nenhum Comentário(s).
Preencha o formulário abaixo e seja o primeiro a comentar esta notícia
Comente está matéria

Confira também nesta seção:



Copyright © 2020 Midia Jur - Todos os direitos reservados
Trinix Internet